CCT Hospitalar: Sinfarpe e Sinbio rejeitam contraproposta do patronato e não descartam ir para dissídio

Publicado em Terça, 12 Junho 2018 13:51

 

 

Mais de 90% dos pontos contidos na contraproposta da CCT Hospitalar 2018/2019, apresentada pelo Sindhospe, foram rejeitados pelo Sinfarpe e Sinbio-PE. As três entidades sindicais iniciaram nesta segunda-feira, 11, a rodada de negociações da Convenção Coletiva de Trabalho para os farmacêuticos e biomédicos que atuam no segmento. A oferta do patronato deixou claro que as novas regras da reforma trabalhista vão nortear o discurso dos empregadores para barrar as propostas aprovadas em assembleia pelos profissionais. Os sindicatos representativos dos trabalhadores não descartam a possibilidade de ir para dissídio.

 

“Pela primeira reunião, percebemos que não será uma negociação fácil. Os patrões não estão dispostos a conceder direitos aos trabalhadores. Muito pelo contrário, querem retirar deles conquistas alcançadas com muita luta ao longo de tantos anos. Se não chegarmos a um consenso, a saída será a Justiça”, disparou Veridiana Ribeiro, presidente do Sinfarpe. O Sindhospe ofereceu a fragmentação da carga horária dos farmacêuticos e biomédicos, com jornadas de 12x36, 20, 36 e 44 horas semanais. Todas as opções com salários proporcionais. Também retirou da pauta, a cláusula que garante aos sindicatos trabalhistas o direito de realizar as homologações das rescisões contratuais dos seus filiados.

 

Para Veridiana Ribeiro, a contraproposta dos patrões é uma afronta aos profissionais e um desrespeito às duas categorias. Em relação às homologações por exemplo, ela enfatiza o quanto é importante que os trabalhadores a façam em seus sindicatos para garantir cálculos rescisórios corretos e com todos os direitos assegurados. “Sem a intervenção da entidade sindical neste processo, os profissionais ficarão descobertos e poderão ter muitas perdas nos valores calculados pelo empregador”.

 

Na reunião, os dirigentes sindicais fizeram suas pontuações e devolveram a pauta à advogada do Sindhospe, Solange Bezerra, para que os donos dos hospitais a reavaliem. Após esse processo, outra rodada será marcada entre as partes para uma segunda etapa de negociações. Acompanharam a presidente do Sinfarpe neste primeiro encontro, os diretores Leonardo de Barros, Dimas Felipe e Risoleta Nogueira, a farmacêutica Viviane de Lima Franco e os advogados José Leniro e Josenildo Araújo. Representando o Sinbio-PE, o presidente André Silva.

 

Sindicato é pra lutar. Nenhum direito a menos!

 

Redação Sinfarpe